FALTA DE ENFERMEIROS NO CENTRO HOSPITALAR TONDELA-VISEU preocupa o presidente do Município de Tondela

O presidente da Câmara Municipal de Tondela, José António de Jesus, mostrou-se preocupado com a degradação potencial dos cuidados de saúde, em consequência do deficiente número de enfermeiros que servem o Centro Hospitalar Tondela Viseu (CHTV).

“Este é um assunto de extrema preocupação, na medida em que coloca em causa o bem-estar de todos nós numa área tão sensível como a saúde”, referiu.

Depois de uma reunião com o Sindicato dos Enfermeiros Portugueses, o presidente da Câmara de Tondela decidiu tomar posição sobre o assunto na última reunião do executivo municipal, que decorreu na passada terça-feira, dia 5 de Maio.

“Corroboramos o grau de preocupação partilhado pelos profissionais de saúde, pelo estado grave que vive a saúde, nomeadamente o nosso Centro Hospitalar Tondela Viseu. A grave carência de enfermeiros no CHTV é um facto e não uma suposição, pois para fazer face às 30.000 horas excedentárias e, também, para garantir a reposição das 35 horas de trabalho e suprimir carências existentes, seriam necessários mais 100 enfermeiros”, sustentou.

No seu entender, estas não são situações pontuais ou emergentes. “Estamos a falar, sim, de questões estruturais”, acrescenta.

Pedidos 20 enfermeiros, com necessidades de 100 !

De acordo com José António de Jesus, há vários meses, o conselho de administração do CHTV recorreu à reserva de recrutamento, solicitando a restituição de 20 profissionais, para substituir 10 que foram colocados na rede primária (centros de saúde) e outros 10 que se encontram em situação de baixa médica.

“Há quantos meses espera decisão do Ministério da Saúde? E, sabendo destas dificuldades e necessidades extremas, porque só solicitou o Conselho de Administração 20 e não os 100 enfermeiros necessários, já que a reserva de recrutamento tem bastantes profissionais disponíveis para entrada imediata no CHTV?”, realçou.

Em relação à unidade de Tondela, o presidente da Câmara considera que “é crítico reduzir-se o número de enfermeiros das urgências, chegando ao cúmulo de estarem dois enfermeiros num turno”.

“Perante o que se vive, ninguém acredita que o Governo está a gerir as necessidades dos serviços de enfermagem do CHTV. Também não iremos esquecer que se impõe que ocorram obras no Centro de Saúde de Tondela, não desistiremos desta meta, apesar de não ter sido prioridade para o Governo”, concluiu.