FARMÁCIA DA LAJEOSA inaugurada pelo Presidente da República

????????????????????????????????????

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, inaugurou, ao início da tarde de 4.ª feira (19 de Junho), as novas instalações da Farmácia da Lajeosa do Dão, no concelho de Tondela, que foi destruída pelas chamas em Outubro de 2017.

Dos incêndios de Junho e Outubro de 2017, o chefe de Estado considerou que “houve lições que foram retiradas, algumas tristes”, e que todos têm a noção de que “a causa primeira tem muito a ver com a organização e a gestão da floresta”.

“O grande desafio é ter-se condições no ordenamento da floresta, na gestão da floresta, para que não haja causa para nada que seja sequer parecido com o que aconteceu em 2017. Estamos todos de acordo que isso é fundamental, porque daí se parte para a prevenção e é mil vezes melhor prevenir a ter de remediar”, frisou.

“RECONSTRUIR O QUE AS CHAMAS DESTRUÍRAM”

Marcelo Rebelo de Sousa destacou o “mérito enorme das populações” e a sua garra para reconstruir o que as chamas destruíram, como foi o caso da farmácia que hoje inaugurou.

O Presidente da República destacou o papel das farmácias por todo o país, “mas sobretudo naqueles ‘portugais’ que são muitas vezes mais esquecidos por quem vive no Portugal que aparece mais vezes na televisão, na rádio e nos jornais”.

“É fundamental que a saúde esteja presente nesses ‘portugais’ esquecidos, sobretudo num país como o nosso que, infelizmente, ainda continua a envelhecer”, sublinhou Marcelo Rebelo de Sousa.

EXTENSÃO DE SAÚDE: “É impensável que ela não continue aqui”...

Olhando à obra da Extensão de Saúde, ali defronte, para Marcelo Rebelo de Sousa “é impensável que ela não continue aqui e não continue a haver uma médica, quatro vezes por semana, porque isso é uma garantia da saúde dos portugueses”.

“Quando se fala nas conquistas do 25 de Abril, uma das conquistas é precisamente a saúde, a saúde que envolve o Serviço Nacional de Saúde, envolve outros, também, empenhados na saúde e esta extensão de saúde é para toda a população, para os mais novos e para os mais velhos, uma garantia fundamental, de que não vamos ter no nosso país, mais do que já temos, portugueses de primeira, portugueses de segunda, portugueses de terceira e portugueses de quarta, não pode ser. Temos de caminhar para serem todos portugueses de primeira, porque é isso verdadeiramente a igualdade entre os portugueses”, defendeu o Presidente da República.

“UM ANO APÓS O INCÊNDIO O PRESIDENTE CUMPRIU”…

No seu discurso, anterior ao do Chefe do Estado, perante os órgãos da comunicação social, o director e proprietário da Farmácia da Lajeosa, Hugo Ângelo, referiu que tinha adquirido a unidade há 12 anos e tem feito um “percurso pela sobrevivência” e, depois do incêndio, “foi necessário termos força para nos reerguermos dessas dificuldades hoje em dia”.

A inauguração pelo Presidente da República, para o director da farmácia, era “uma profunda honra e uma marca de que nunca nos esqueceremos, foi uma promessa que nos fez em Outubro de 2018, um ano após o incêndio, o senhor Presidente cumpriu, está aqui hoje”, como disse.

Mas que “não é apenas a presença de um Presidente da República, é a presença de um responsável deste país que marca toda uma história democrática, pelo seu altruísmo, pela sua capacidade e sensibilidade social para com as populações e estou seguro que o senhor Presidente da República será, nas próximas décadas, sempre referência inatingível para quem lhe suceder”.

APOIOS DE MUITAS INSTITUIÇÕES E DA EQUIPA DE TRABALHO

Hugo Ângelo revela que nunca esteve só nesta jornada, tendo referido os “apoios transversais”, da Junta de Freguesia, da Câmara Municipal de Tondela, da Associação Nacional de Farmácias, do INFARMED, da Ordem dos Farmacêuticos e vários laboratórios.

Contudo, para si, o mais importante foi a sua equipa de trabalho, que “foi incansável em todo o processo”, pós incêndio, durante um período longo na Junta de Freguesia, em que as condições eram as possíveis e mesmo agora, nesta fase da transferência para o actual local, as suas funcionárias “deram o seu melhor, de noite e de dia, para conseguirmos cumprir com este desafio de termos a farmácia aberta hoje (já tinha sido aberta na 2.ª feira anterior) e elas são as grandes responsáveis por isso ser possível. São a melhor equipa que eu poderia ter”, sustenta Hugo Ângelo.

“A POPULAÇÃO DA LAJEOSA MERECE O MELHOR

Para o director da farmácia, o novo espaço corresponde a um auxílio importante, muito significativo, de várias entidades, como por exemplo o programa REPOR, a Segurança Social, o IFP, todos tendo colaborado imenso, para que isto fosse possível, não deixando de referir o próprio investimento pessoal nosso na aquisição do terreno e na construção do edifício, “porque acreditamos que a população da Lajeosa merece o melhor”.

A presença da rede de farmácias, para o orador, “reforça a coesão territorial, nós conseguimos prestar um serviço de excelência, o melhor serviço, quer estejamos no interior do país, quer estejamos numa grande cidade, numa zona urbana do litoral. E é isso que nos aproxima das populações”.

AS POPULAÇÕES PRECISAM DE UM SERVIÇO DE SAÚDE DE PROXIMIDADE”

Hugo Ângelo diz que, infelizmente, “temos assistido a uma degradação dos serviços públicos de proximidade, especialmente também os serviços de saúde”. Assim sendo, julga que este processo “tem de parar de uma vez por todas, porque as populações precisam é de serviços de saúde de proximidade”, sublinhou.

“É junto às suas residências que as pessoas precisam do farmacêutico, do médico, do enfermeiro, portanto eu peço a todos que estão aqui presentes que têm algum tipo de responsabilidade política ou de outra natureza, que olhem um bocadinho para este espaço em que está aqui uma extensão de saúde, que serve esta população há vários anos e que esperemos que continue a servir cada vez melhor”, concluiu.

No final dos discursos, foi empreendida uma visita às instalações da farmácia, onde o Presidente da República teve oportunidade de tomar contacto com os produtos e serviços ali prestados à população da Lajeosa e, num remate daquele dia de festa em torno do ressuscitar da Farmácia da Lajeosa, foi servido um almoço às entidades oficiais e convidados e, no geral, a toda as pessoas que, da freguesia, quiseram marcar a sua presença.