AUTÁRQUICAS/TONDELA: JOSÉ ANTÓNIO DE JESUS (PSD) QUER EXPANDIR ZONAS INDUSTRIAIS E CRIAR MAIS HABITAÇÃO A CUSTOS CONTROLADOS

????????????????????????????????????

Na apresentação da sua candidatura a um terceiro mandato à frente dos destinos da Câmara Municipal de Tondela, José António de Jesus, aflorou o processo judicial de que foi alvo, defendeu-se da maledicência que prolifera nas redes sociais, salientou o bom trabalho da autarquia na atracção de empresas e consequente criação de emprego, lutando pelo desenvolvimento do concelho, para que o seu futuro não seja hipotecado.

O autarca, que falava durante a apresentação de candidatos à Assembleia Municipal, Juntas e Uniões de Freguesia e Câmara Municipal, que ocorreu na noite deste último sábado, dia 21 de Agosto, no Largo da República, em frente aos Paços do Concelho, onde se ergue o símbolo do Poder Local, perante uma vasta plateia ao abrigo das normas de segurança do SNS, destacou a importância que tem a sua candidatura para a continuação do desenvolvimento sustentado do território.

Numa noite em que a grande novidade, politicamente falando, foi a presença do antigo e carismático líder do PSD durante décadas, Joaquim Coimbra, como fazendo parte, entre outras figuras notáveis do partido e de outros sectores da vida empresarial, social e associativa, caso do presidente do Clube Desportivo de Tondela Gilberto Coimbra, entre outros, o candidato a um novo mandato na “Casa Branca” de Tondela, elegeu grande parte do seu discurso ao sucesso das políticas de desenvolvimento do Concelho nos últimos anos, não obstante a “troika”, as desgraças que se abateram em grande parte do país, pelos fogos tenebrosos de 2017, as intempéries e, por último, a COVID 19, quase a “fechar” Portugal inteiro.

Sob o lema “Concelho de Tondela à frente”, o actual presidente da Câmara Municipal de Tondela, que agora se recandidata pelo PSD, lembrou, no seu discurso, que sobre ele decorre um processo judicial, numa situação centrada em questões processuais relativas a ajudas de custo, mas que solicitou desde logo que tudo fosse esclarecido.

“Desde a primeira hora sempre desejei que o processo se concluísse com seriedade e com celeridade”, garantindo que “nunca ocorreu qualquer acto intencional com o propósito de me apoderar do que quer que fosse”, afirmou José António Jesus.

  • CONCELHO DE TONDELA COM NOVOS INVESTIMENTOS NA ORDEM DOS 95 MILHÕES

Por outro lado, o actual autarca anunciou um conjunto de obras e iniciativas que urge realizar no concelho, num investimento global de mais de 95 milhões de euros (na foto, Gilberto Coimbra).

“Teremos que expandir as zonas industriais para acolher mais empresas, em particular na Zona Industrial de Tondela/Adiça, para podermos atrair mais investimentos, assim como esperamos ter condições para, brevemente, apresentarmos mais de 5 dezenas de apartamentos em habitação de renda controlada e custos acessíveis, numa primeira fase”, exemplificou.

José António de Jesus referiu-se à “grande noite” que se vivia naquele momento, que “ultrapassou as expectativas”, afirmando que “este apoio é prova clara à liderança e ao rumo, mas igualmente prova que esta liderança é feita de humildade, de serenidade, de quem está ao serviço dos outros”, do povo, de quem investe, de quem cria, de quem constrói, de quem auxilia e de quem ajuda ao bem comum, na construção do futuro.

“Essa é a nossa bandeira”, vincou, acrescentando que “por isso mesmo, estamos aqui para unir a nossa voz, para juntar as nossas forças, para comungar objectivos, sonhos, ambições e dar sentido a um futuro que se vive no presente”.

  • “A DIFERENÇA” DE OUTRAS CANDIDATURAS

Com altivez, sustentou o “grande orgulho” em liderar um concelho com tão grande qualidade, com “gente que faz, com capacidade empreendedora e criativa, que arregaça as mangas, que trabalha, que limpa o suor do seu rosto” e que esta era a “diferença” em relação a outras candidaturas.

Diferença de quem “vive do ócio, da maledicência, da arrogância, da crítica destrutiva, de habilidades, da falsidade mascarada de puritanismo”, lembrando que todos estavam ali naquele dia, naquela noite, de “olhos nos olhos, para assumir essa diferença, sem medos na convicção de que respeitamos quem pensa diferente, mas com seriedade. Jamais pactuaremos com quem pensa em jogos ardilosos e sem escrúpulos”, sustentou, denunciando a campanha de “destruição” da sua pessoa e do político que é, com o fim de “impedir esta candidatura para chegarem ao poder, não por terem melhores ideias ou ideais, mas porque acham que a alternância é uma forma de governar e, para isso, tinham de afastar este presidente de Câmara”.

Nesse propósito, referiu a esperança deles ”para que não tivesse forças para reagir e resistir, na permanente e insidiosa forma como lançam nas redes sociais uma campanha de destruição só possível ser criada por pessoas sem carácter”, como sendo o caminho mais fácil para o afastar das rédeas do Município.

“Para quem tem uma vida pública ao serviço do nosso concelho, para quem já deu provas, seria esse o caminho mais fácil, mas não é esse o meu caminho, acima de tudo está o interesse do meu concelho e é isso que me faz ser candidato do nosso concelho e temos de continuar a fazer por ele, pelos nossos filhos, pelos nossos idosos, pelos nossos jovens. É isso que me motiva diariamente, trabalhar pelo concelho de Tondela, para que o nosso futuro não seja hipotecado”.

Falou da crise dos incêndios de 2017, em que o município “deu resposta a quem ficou sem casa, a quem viu as empresas e os negócios reduzidos a cinzas, tendo que adiar vários projectos de desenvolvimento, mas que nunca deixaria de fazer aquilo que teve de ser feito”, pois como disse na tomada de posse que “nunca pararia enquanto todos não tivessem as suas casas reconstruídas”, lembrando que foi o concelho mais atingido com mais casas destruídas, mas também foi o primeiro que recuperou essas mesmas casas.

Depois das intempéries, lembrou a pandemia da Covid 19, afirmando que “era preciso parar de novo, orientar as estratégias, acudir e colocar os meios necessários na defesa da saúde pública, não hesitámos um dia sobre essa nova prioridade na defesa da saúde das nossas gentes e no apoio ao comércio ou serviços, investindo mais de duas centenas de milhares de euros, porque era importante proteger o comércio local e os nossos serviços perante a crise que estávamos a viver”.

Falou das diferenças. “Ainda bem que somos diferentes”, tendo referido o pretenso encerramento da urgência do Hospital de Tondela e de algumas extensões de saúde, questionando onde esteve quem quer ocupar o poder, para referir a questão de um empréstimo votada na Assembleia Municipal para permitir ao Município lançar uma obra de dimensão como é a requalificação do Centro de Saúde de Tondela, uma obra que custará mais de 2 milhões de euros e onde o apoio público é significativamente menor, praticamente um quarto deste valor, uma obra que deveria ser da responsabilidade do Estado, mas onde estiveram?”, questionou José António de Jesus. “Votaram contra, ao lado dos interesses socialistas e contra o interesse do concelho de Tondela. É esta a alternativa, estar contra os investimentos, estar contra aqueles que defendem a modernidade do nosso concelho? Ainda bem que somos diferentes. Como estiveram contra a atracção de um importante investimento de uma unidade de cuidados continuados e de uma estrutura residencial para idosos, são 120 camas que se vão construir no concelho de Tondela, um dos maiores investimentos privados na área da saúde, superior a 8 milhões de euros”, sustentou.

  • “SÓ INVESTE QUEM CONFIA EM QUEM GOVERNA”

O autarca referiu-se aos investimentos que estão a decorrer, como se perspectiva a vinda de mais empresas e que são 95 milhões de euros que estão em causa nos diferentes investimentos. “Não são anúncios, são realidade, a expansão das zonas industriais, construindo e requalificando infraestruturas para podermos atrair mais investimento”.

“Só investe quem confia em quem governa”, sublinhou José António de Jesus, sendo por isso que, “ao contrário de outros, serei sempre alguém que apoia a captação de investimento. Podem dizer que sou o presidente amigo dos empresários, porque só com o investimento há emprego e riqueza. Só com o investimento há mais comércio, mais educação e mais gente. E nós bem sabemos que o crescimento industrial do nosso concelho tem sido responsável pela deslocação de muitos trabalhadores que aqui encontram a oportunidade da sua realização profissional”.

  • OPOSIÇÃO A “BOMBARDEAR QUEM AQUI QUER INVESTIR”

O candidato do PSD a um novo mandato, justificado pelo desenvolvimento industrial do concelho, contudo, não quis esquecer o problema da habitação social a custos controlados, “É preciso agora responder a um novo desafio, já há 4 anos o tínhamos assumido, nós precisamos de mais habitação para acolher aqueles que aqui trabalham e que aqui vêm procurar essas oportunidades. É por isso que a resposta de construção civil teve um incremento ímpar nos dois últimos anos, mesmo com a oposição a bombardear quem quer investir e potenciar mais habitação, sempre o dissemos, falta-nos um pilar nesta construção, a oferta de habitação de renda acessível e de custos controlados. Infelizmente, dissemo-lo há 4 anos e durante estes quatro anos os instrumentos legais são necessários para que tal ocorra, não foram desencadeados pelo governo e todos os municípios como o nosso não obtiveram esses apoios financeiros, só agora, esperamos nós, que o plano de recuperação e resiliência, a dita bazuca, não deixe o dinheiro em Lisboa e no Porto e por essa mesma razão, também os concelhos como o nosso, possam aceder aos instrumentos financeiros para oferta de habitação a custos controlados”.

O autarca, neste capítulo, disse que são cinco dezenas de apartamentos numa primeira fase, que o Município vai levar a cabo, esperando a comparticipação governamental a que tem direito, afinal, dinheiro que vem da Europa e que, muitas vezes, é desviado do interior do país, para construir novas estações de metro em Lisboa, em bairros ricos.

Terminou, falando das “eleições decisivas para o futuro do concelho”, para que o o concelho de Tondela se posicione na frente, naturalmente, na frente do investimento, do progresso e da modernidade em relação a todos os outros concelhos do interior, “com todos e para todos”, bradando um “viva o concelho de Tondela”.

  • “BALANÇO POSITIVO DO ACTUAL PRESIDENTE DA CÂMARA”

Por seu lado, o líder da distrital de Viseu do PSD, Pedro Alves, fez um balanço “claramente positivo” do mandato do actual presidente da Câmara Municipal de Tondela, lembrando os tempos difíceis de governação social-democrata no concelho, recordando “a troika, os incêndios, as intempéries e a escassez de investimentos públicos na região”.

“Apesar de tudo, Tondela é hoje uma referência local, regional e em todo o interior do país. A sua capacidade de afirmação deve-se também sobretudo à capacidade de liderança de José António de Jesus”, disse.

Já António Leitão Amaro (foto), candidato à presidência da Assembleia Municipal de Tondela pelo PSD, lembrou que “quando quiseram fechar os serviços de saúde foi a Câmara de Tondela, liderada por José António Jesus, que salvou o funcionamento e a abertura desses mesmos serviços, tendo acontecido o mesmo com o investimento nas nossas escolas”.

Nas autárquicas de 2017, o PSD obteve 57,49% dos votos (cinco mandatos), enquanto o PS conquistou 23,25% (dois mandatos).