FERROVIA AVEIRO – VISEU – GUARDA – SALAMANCA

tempo de leitura: 2 minutos
  • Câmara de Tondela subscreve declaração que reivindica construção de corredor ferroviário entre Aveiro e Salamanca

O executivo municipal de Tondela subscreveu, na manhã 27 de Fevereiro, a declaração conjunta que saiu do encontro que juntou, no dia 7 anterior, em Viseu, autarcas e responsáveis de Portugal e Espanha e que defendem que os governos de ambos os países devem avançar com a construção do corredor ferroviário Aveiro – Viseu – Guarda – Salamanca.

Nessa reunião marcou presença a presidente da Câmara de Tondela, Carla Antunes Borges.

No final do encontro, os participantes aprovaram uma declaração que exorta os executivos português e espanhol a “impulsionar a via de conexão do Corredor Atlântico no troço ibérico (Aveiro – Viseu – Guarda – Salamanca) e a sua ligação com Madrid, por forma a facilitar uma mobilidade eficiente de passageiros e mercadorias por transporte ferroviário entre Espanha e Portugal”.

O documento pede que seja garantida “a implementação de comboios de alta velocidade nesta conexão ferroviária que permita o desenvolvimento económico regional e gere oportunidades para novas iniciativas empresariais que favoreçam umas perspectivas de futuro renovadas para atrair e fixar população”.

Os autarcas e responsáveis das instituições dos dois lados da fronteira afirmam ainda que “avançar neste projecto decisivo beneficiará não apenas as nossas empresas, mas também o desenvolvimento sustentável e a prosperidade dos nossos territórios”.

Reunido esta terça-feira em reunião pública, o executivo municipal de Tondela subscreveu por unanimidade esta posição. A presidente da Câmara lembrou que este é um projecto reclamado há vários anos e salientou que esta é uma obra “importante para o desenvolvimento socioeconómico” dos distritos abrangidos e para o “desenvolvimento da região”.

“Trazemos esta declaração conjunta para que a Câmara também se pronuncie sobre esta matéria e que possa deliberar sobre esta posição para que ela possa ganhar força”, explicou.

A autarca salientou a necessidade de os municípios “se reunirem na defesa da ferrovia na região centro de Portugal”, atendendo a “algumas dúvidas da tutela” em relação ao projecto e a “algumas pressões por parte dos municípios do norte do país que estão de forma intensa a defender a migração deste corredor para o norte”.

“Não compreendemos as dúvidas. O que sempre foi defendido foi a criação de um corredor ferroviário na região centro. E é sobre esta matéria que queremos exercer a nossa posição na defesa dos interesses da região centro”, acrescentou.

“O norte está sobejamente bem servido de rodovia e de canais de fruição e de mobilidade entre o litoral e Espanha e, verdadeiramente, aquilo que se impõe é uma ligação ao nível da região centro, já para não falar das ligações rodoviárias que há muito reclamamos ao sul”, concluiu.