AGRESSÃO A JORNALISTAS É CRIME PÚBLICO

Um jornalista da TVI foi agredido ontem,  no final do jogo entre o Moreirense e o FC Porto e o Sindicato dos Jornalistas pede intervenção do Ministério Público

Segundo o “Mais Futebol”, o Sindicato dos Jornalistas também veio a público repudiar «com veemência» a agressão de um repórter de imagem da TVI por parte de um agente de jogadores, após o empate entre o Moreirense e o FC Porto, em Moreira de Cónegos.

O SJ «repudia com veemência a agressão de que foi alvo um repórter de imagem da TVI por parte de um agente de jogadores, à saída do estádio do Moreirense, após o empate (1-1) entre a equipa da casa e o Futebol Clube do Porto», manifestando «a sua solidariedade para com» o profissional agredido.

«O recurso à violência verbal e física contra os profissionais de comunicação social, seja qual for o pretexto, não é admissível numa democracia», acrescenta.

«Sendo a informação um bem público, o SJ reitera que a segurança no exercício de funções é fundamental para que os profissionais deste sector possam cumprir a sua missão de informar», salientando que «a coacção, as ameaças, as agressões e os insultos configuram crimes, perante os quais os órgãos de informação e os próprios jornalistas visados devem reagir, apresentando queixa junto das autoridades competentes».

Sendo o crime público, «impõe-se que o Ministério Público tome posição rapidamente, em defesa da liberdade de imprensa», sublinha o SJ.

O CNID (Associação dos Jornalistas de Desporto) também condenou a agressão de Moreira de Cónegos, inclusive em forma de comunicado formal.

«A agressão de que foi vítima ontem [segunda-feira] à noite o nosso colega Francisco Ferreira, repórter de imagem da TVI, no final do jogo Moreirense-FC Porto, é absurda, inaceitável e ignóbil. O CNID condena o ato e pede às forças policiais que tenham mais atenção a casos como este», refere o comunicado.

O CNID relata ainda que o repórter de imagem da TVI «acompanhava a saída do presidente do FC Porto que se dirigiu a um câmara [repórter de imagem] da Sport Tv de forma algo intimidatória».

«Foi só isso que motivou a agressão da parte de Pedro Pinho, conhecido empresário de futebol, que atingiu o nosso camarada com empurrões e pontapés, empurrando-o contra o beiral de uma bancada elevada 6 ou 7 metros sobre o campo de treinos, enquanto Francisco Ferreira procurava defender-se e proteger o valioso material de transmissão que lhe estava confiado», acrescenta o comunicado.