O ESTÁDIO E SUAS ENVOLVÊNCIAS

ZÉ BEIRÃO – Já emudeceram os ecos da expressiva vitória do Clube Desportivo de Tondela sobre o Grupo Desportivo de Chaves (5-2), que possibilitou à equipa da Beira Alta continuar a representar o centro do país, na I Liga de Futebol Profissional, junto dos “grandes”.

O feito é tão mais importante, quando é certo que, entre o Porto e Lisboa, nesse escalão do futebol nacional, o mapa apenas mostra, no interior do país, a cidade de Tondela que, embora ainda muito pequena, possui uma alma grande e determinada.

Não sou bruxo para adivinhar qual vai ser o futuro do Clube Desportivo de Tondela integrado numa SAD, onde mandam chineses e espanhóis, mas uma coisa é certa: Se os donos dessa sociedade anónima não virem apenas cifrões e ganhos imediatos, podemos ter um clube forte e maior, capaz de novos voos.

Sim, porque ter jogadores emprestados e pouco mais (e agora até o treinador é espanhol), não se pode dizer, com propriedade, que temos uma equipa cem por cento da casa, com jogadores da formação e outros comprados, naturalmente longe das “estrelas” que os grandes clubes sempre contratam.

Por outro lado, quando se anunciam aquisições de atletas de renome, a toda a hora, de vários clubes nacionais e estrangeiros, até agora, para a época de 2019/2020, a SAD do Tondela, modestamente, apenas anunciou dois, um júnior e a renovação do médio Jaquité.  

ACESSOS AO ESTÁDIO

Agora que o CD Tondela parece querer continuar na prova por tempo indeterminado, embora com muitas dificuldades, as autoridades concelhias deveriam olhar para as imediações do Estádio João Cardoso, melhorando acessos e saídas.

Certamente que existem estudos por parte do Município, mas as coisas não avançam com a celeridade que todos quereriam. Urge avançar, de vez, com o acesso do estádio à Avenida Dr. Sá Carneiro que, além de poder ser em jeito de túnel, também existe a possibilidade de ligar a rua do estádio à mesma avenida, por um terreno ainda devoluto, encimado por uma competente rotunda no enfiamento da Urbanização Bela Vista. Neste caso, deveria ser introduzida uma rotunda no cruzamento da Rua Dr. Eurico José de Gouveia, com a Rua Dr. António Tenreiro da Cruz, a “defender” a entrada do complexo desportivo, onde se erguesse um memorial a quantos, ao longo de quase um século, ajudaram, defenderam, serviram e prestigiaram um dos mais notáveis clubes da região e do país, em tempo onde ninguém auferia um tostão.

Embora a avenida nova esteja a servir de parque em dias de jogos, impõe-se a instalação de um Parque de Estacionamento nas imediações do estádio, havendo muitas hipóteses, até para instalar novas ruas a norte, facilitando, ainda mais, a criação de novos alojamentos locais, juntando-se, assim, o útil ao agradável, satisfazendo, ainda, as carências sentidas no sector.

Também seria bom que a rua projectada entre o Hotel e o novo empreendimento habitacional, a ligar às traseiras do estádio e à nova avenida, contornando o cemitério, pudesse avançar, até para acomodar as viaturas dos vários órgãos da comunicação social, especialmente, os televisivos.

Agora que também uma nova construção habitacional está a avançar junto à rotunda poente da rua do estádio, bom seria que, igualmente, os detentores de terrenos devolutos na mesma via os colocassem em venda, para que outros construtores e imobiliárias levantassem novas construções, dando um visual mais digno ao acesso às instalações desportivas, também elas a necessitar de pintura.

E já nem se fala na propalada criação da “Cidade Desportiva”, ou centro de estágios que, pensamos, será para avançar, garantindo, com maior segurança, as escolas de formação e o futuro do Clube Desportivo de Tondela.

I M P O R T A N T E

BEIRÃO ONLINE  não é um blog. É um jornal digital na hora, feito por um jornalista competente, com título profissional conferido pela Comissão da Carteira Profissional de Jornalista (organismo governamental) e que foi fundador dos jornais “Notícias de Tondela”, de 1975, do “Jornal de Tondela”, em 10 de Agosto de 1989, co-fundador, em 1988, da empresa “Ao Tom dela (Rádio, Lda.), detentora da Rádio Tom Dela (hoje Emissora das Beiras), em 1988, sendo ainda actual colaborador do semanário mais antigo do Distrito de Viseu, a “Folha de Tondela”, onde começou a escrever aos 21 anos de idade (em 1961) e que, em 1964, regressado de Moçambique, onde cumpriu o serviço militar obrigatório,lançou a crónica de sabor construtivo, “ZÉ BEIRÃO”, nome por que hoje é sobejamente conhecido. Para elaborar e manter este jornal em actividade permanente,teve de aprender informática e a trabalhar online,com os textos,as fotografias e o grafismo.

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *


Traduzir »