Desvia fortuna para pagar a namoradas

António Pinto confessou aos juízes ter gasto 80 mil euros

António Pinto, ex-presidente da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Castro Daire, confessou ontem ter desviado cerca de 80 mil euros dos bombeiros para pagar despesas a namoradas e também a fornecedores de uma farmácia que geria.

No julgamento, em Castro Daire, uma das testemunhas que namorou quase 3 anos com o antigo dirigente garantiu que este a ajudou “a pagar a renda de casa, a escola dos filhos e a alimentação”.

O arguido, de 62 anos, chegou a transferir 6500 euros para a conta desta mulher que, por ser de nacionalidade estrangeira, precisava de mostrar ao SEF que obtinha rendimentos em Portugal.

António Pinto, que só compareceu depois de o juiz ter ameaçado com um mandado de detenção, confessou todos os factos da acusação: “É verdade e vou assumi-lo até à minha morte”, referiu ao colectivo.

O antigo presidente dos bombeiros disse também estar “arrependido” e que tudo começou quando “foi ameaçado por um fornecedor da farmácia” a quem devia dinheiro. Abatido, explicou ainda que as relações com os filhos ficaram muito danificadas e que por várias vezes “pensou em suicidar-se”.