POSTAL DE LISBOA – A MÃE DE TODAS AS PROFISSÕES

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterEmail this to someone

É frequente ouvirmos um cidadão relembrar este ou aquele professor que, de algum modo, o marcou para a vida, de um modo positivo ou negativo.

Há, contudo, outros inúmeros indicadores que não deixam dúvidas acerca da importância dos professores na sociedade. Deixem-me fazer esta síntese – sem professores, as sociedades sobrevivem, mas, com os professores, o mundo pode tornar-se melhor. Numa certa perspectiva, a da formação dos cidadãos para a cidadania, todas as outras profissões nascem na maternidade da docência. O professor, ele próprio, a sociedade em geral e, obviamente, o Estado, não podem, em momento algum, esquecer-se dessa verdade, sob pena de se autodestruírem: o Estado, o professor, a sociedade.

A responsabilidade que o docente carrega impõe-lhe a construção de um estatuto com alguns pilares bem distintos, como sejam, a dignidade, o respeito por si e pelos outros, a credibilidade, a formação científica que inclui, nos nossos dias, o domínio das novas tecnologias, a consciência da sua influência como modelo para os alunos e para a sociedade, o que lhe impõe a tolerância, a capacidade para dialogar, ouvir, aprender, estimular a inovação, a curiosidade, a criatividade, o espírito de trabalho, atenção aos problemas da comunidade, respeitador do ambiente, lutador com disponibilidade para nunca desistir de um mundo melhor. A atitude, nas aulas e fora delas, tem de ser positiva, pois os olhos das crianças, dos pais, da sociedade envolvente nunca o largarão. Enfim, muitas mais características poderíamos apontar ao professor dos nossos dias, mas, há uma que não podemos esquecer e que, de certo modo, resume todas as outras: mais que o saber científico, mais que o cumprimento dos programas, mais que o preenchimento de todas as burocracias em que esteja envolvido, é muito importante que nunca se esqueça de que é uma pessoa, o que implica que, em todas as suas acções, privilegie o seu lado humano. Repetimos: a sua dignidade, a sua tolerância, a atitude, a militância pelo meio ambiente e pelo bem-estar dos seres que o habitam, a abertura para ouvir e interessar-se, para cooperar, para incentivar, despertar e reforçar a curiosidade, a coragem, a consciência, o respeito, serão os aliados que o ajudarão no exercício correcto de uma profissão tão digna e tão importante.

Alguns poderão pensar que tudo isto não passa de lirismo, mas, à medida que fui evoluindo como professor, aprendendo no dia-a-dia das aulas, corrigindo erros tremendos, senti que a minha tarefa só começou a dar-me prazer, quando deixei vir ao de cima o lado humano, dando-lhe uma importância que, muitas vezes, o professor tende a esquecer, assoberbado por tarefas que lhe parecem prioritárias.

Um dos erros mais graves é educar, como hoje se diz, para a competitividade, em vez de para a comunidade. A educação para a competitividade criou a civilização dos conflitos, das guerras, do apagamento das pessoas substituídas por algarismos e estatísticas. A educação para a competitividade está na raiz da desumanização da civilização, de que tanto nos queixamos. Se queremos um mundo melhor, o professor tem de apostar na humanização da educação. Nenhum professor conseguirá levar a cabo a sua função, se não sentir prazer nas aulas, no contacto com os alunos, em tudo quanto partilha. Sem entusiasmo, sem carisma, sem envolvência, dificilmente será um Professor.

Leonel Marcelino

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterEmail this to someone

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *


Traduzir »