PRESIDENTE DA CÂMARA DE TONDELA LAMENTA que Ministério da Cultura tenha ignorado propostas para novas regras de apoio às artes

O presidente da Câmara Municipal de Tondela, José António de Jesus, mostrou ontem (12 de Março) o seu desagrado pelo facto da Ministra da Cultura ter ignorado as propostas enviadas no último mês, aquando da abertura da discussão pública sobre as novas regras de apoio às artes.

Durante a reunião do executivo da Câmara Municipal de Tondela, que decorreu durante a manhã de ontem, segundo um comunicado a que o “Beirão Online” teve acesso, o presidente da autarquia, apoiado num documento partilhado pelo vereador do pelouro da Cultura, informou que, no passado dia 8 de Fevereiro, foram enviadas “duas propostas centrais” sobre esta matéria à Ministra da Cultura, Graça Fonseca.

Na primeira proposta, é chamada a atenção para a ausência de pontuação às candidaturas que se alicercem na intervenção local e na relação comprovada com o Município.

Prémio a projectos sem ligação ao local

A solução apresentada pelo Ministério da Cultura é, claramente, um prémio aos projectos sem preocupação de ligação ao local onde se desenvolvem e a desvalorização do papel dos municípios, enquanto agente/parceiro na promoção e desenvolvimento de projectos culturais.

“É incompreensível para o Município de Tondela a revogação deste ponto. Contrariamente ao que se possa pensar, o apoio de um município como o de Tondela a um projecto como a ACERT, não o é pelo seu carácter local, mas sim pela sua capacidade cosmopolita de trazer até Tondela, ou levar para fora de Tondela, uma ideia de território inclusivo, em que a cultura tem um papel fundamental”, alegou.

Menorização do papel dos municípios

No seu entender, ao retirar-se esta valorização, está-se a premiar uma perspectiva do projecto artístico, sem ter em linha de conta o contexto onde se desenvolve, ou pior, “menorizando o papel dos municípios nesse conhecimento”.

Entre as propostas enviadas à Ministra da Cultura, a Câmara de Tondela apontou ainda o dedo ao facto de se retirar aos projectos o seu alcance social, os índices de abrangência e a participação pública.

“Com isto está-se claramente a desvalorizar o acesso geral à cultura, valorizando os nichos artísticos que, independentemente do seu valor, não desempenham em territórios como o nosso, o papel que desempenham projectos como o da ACERT, na promoção da educação artística, da autoestima, da participação comunitária, valores absolutamente essenciais a uma sociedade mais democrática e inclusiva”, referiu.

Sem mecanismos de discriminação positiva

O presidente da Câmara de Tondela mostrou-se ainda preocupado com o facto desses regulamentos não preverem, em nenhuma circunstância, mecanismos de discriminação positiva para os territórios de baixa densidade.

“Lamentamos que as nossas preocupações, expressas nos contributos enviados, não tenham sido tidas em conta nas portarias publicadas. Preocupa-nos que o caminho da corresponsabilização entre actores locais e nacionais (públicos e privados), que vinham sido seguidos de forma a garantir o acesso à fruição e criação cultural da comunidade seja, desta forma desvalorizado”, concluiu.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *


Traduzir »