DEZ MILHÕES DE PORTUGUESES reféns de meia dúzia de motoristas

Ninguém parece ceder e as perspectivas indicam que os motoristas de matérias perigosas (cerca de 600) vão mesmo para a greve na próxima segunda-feira, com o intuito de paralisar um país numa época crucial para a economia nacional.

Isto foi o que escreveu o confrade e amigo Aníbal José de Matos, no seu “Presente”, um jornal online que vê a luz do dia na linda Praia da Claridade, como é conhecida, aquela que fica ao largo da bela cidade da Figueira da Foz.

Agora, eu acrescento que, além desses motoristas quererem melhores e mais chorudos salários, o que poderá ser legítimo, legítimo não será quando os seus interesses colidem com os de milhões de portugueses, imensos daqueles que têm pensões de miséria e salários mínimos, no mínimo, irrisórios, em comparação com os dos detentores dos grandes grupos económicos.

Depois, gostaria de perguntar: Se outros trabalhadores de empresas de serviços de águas e electricidade, por exemplo, fizessem greves e que os ditos serviços fossem cortados, ficando as casas desses motoristas sem água nem luz, como reagiriam? 

As bichas para os combustíveis, já começaram e ainda não chegámos a segunda-feira.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *


Traduzir »