COVID-19: LABORATÓRIO DE TONDELA PRODUZIRÁ OITO A 24 MIL ‘KITS’ DE TESTES DIÁRIOS

A ALS Controlvet em Tondela inaugurou hoje um laboratório único no país que produzirá, “no mínimo, oito mil ‘kits’ por dia” para realização de testes, num investimento superior a um milhão que dará autonomia a Portugal e ainda permitirá exportar.

“Vamos produzir os componentes dos ‘kits’ de detecção do coronavírus, vamos montar os ‘kits’ de protecção e também realizaremos a testagem, portanto, temos o ciclo completo e, na Europa, existem apenas duas empresas e nós somos a terceira”, anunciou o director-geral da ALS Controlvet.

“Não voltaremos a ter os problemas do passado, de escassez ou de falta de produto, em que temos de comprar a preços muito elevados […]. Com um turno, no pior cenário, mais conservador e de menor eficiência, em oito horas produzimos oito mil testes”, afirmou João Cotta.

No caso de haver necessidade, acrescentou, “multiplicam-se para três turnos, o que dá uma capacidade diária de 24 mil testes” e, tratando-se de um laboratório pertencente a uma multinacional “que está em 70 países, obviamente há um mercado de exportação automático”.

  • INTRODUÇÃO NO MERCADO EM OUTUBRO

“Da mesma forma que durante a pandemia, ficámos mais limitados, porque as grandes empresas desviaram para países mais poderosos os componentes, nós iremos fazer ao contrário. Iremos reter em Portugal o que Portugal precisar e o resto exportaremos”, afirmou.

Os primeiros ‘kits’ começam a ser produzidos “na segunda metade de agosto”, disse João Cotta, explicando que, depois de ultrapassadas as várias etapas de licenciamentos, “e correndo bem, o objectivo é estar em condições de introduzir no mercado em Outubro”.

O investimento é superior a um milhão de euros, com uma comparticipação de fundos europeus em 95%, “porque foi um projecto que se concretizou em dois meses”, explicou.

Presente na inauguração, a ministra da Coesão Territorial destacou que a importância do laboratório para “dar autonomia ao país e exportar” para o mundo, em especial a Europa.

“Vai ajudar a região, o país e o mundo, porque estamos a falar de um investimento de ponta, que usa conhecimento e tecnologia que poucas empresas no mundo usam. Um investimento que permite ao país ser autossuficiente e que permite exportar esta tecnologia e estes ‘kits’ para todos os países”, defendeu Ana Abrunhosa.

  • EMPRESA DE TONDELA: “EXEMPLO DE CORAGEM”

O uso de fundos europeus neste projecto, acrescentou, traduz a estratégia europeia de garantir que o continente “está menos dependente do resto do mundo em bens e serviços que são essenciais”, numa área tão particular como a saúde.

Ana Abrunhosa lembrou que durante a pandemia o país sentiu a “escassez de máscaras e a escassez de álcool gel e de ‘kits’”, admitindo que aquilo que se conseguiu comprar foi adquirido “muitas vezes a um preço perfeitamente escandaloso, porque foram as condições do mercado”.

“Não tínhamos outra alternativa e esta autonomia permite-nos não só ter esses bens e serviços essenciais, a preços acessíveis, mas também nos permite exportar estes bens e criar riqueza a partir destas actividades económicas”, defendeu.

A ministra considerou o investimento desta empresa de Tondela, que desde 2015 faz parte da multinacional ALS, “um exemplo a seguir por outras empresas, nomeadamente do interior”, e “um exemplo de coragem”.