PROTEÇÃO CIVIL ALERTA PARA RISCO DE INCÊNDIO NOS PRÓXIMOS DIAS. REGIÃO JÁ TEVE 150 FOGOS

Autoridades advertem para altas temperaturas

A Protecção Civil alerta para o risco de incêndio rural neste próximo fim de semana. Em comunicado, a Autoridade Nacional de Emergência e Protecção Civil (ANEPC) justifica o aviso com a previsão do Instituto Português do Mar e da Atmosfera para as próximas 72 horas, que indica “um quadro meteorológico de tempo seco, com aumento gradual dos valores de temperatura máxima e vento de quadrante Leste”.

Segundo a Protecção Civil, a temperatura vai subir neste sábado e domingo (27 e 28 de Março), “com acentuada amplitude térmica, devendo manter-se até ao dia 1 de Abril”, traduzindo-se assim “num aumento dos índices de risco de incêndio até à próxima quarta-feira, dia 31 de Março, com condições favoráveis à rápida propagação de incêndios”.

Face a isto, a ANEPC lembra à população para a adopção e “adequação dos comportamentos e atitudes face à situação de perigo de incêndio rural, nomeadamente com a adopção das necessárias medidas de prevenção e precaução, observando a legislação em vigor, e tomando especial atenção à evolução do perigo de incêndio neste período”.

As autoridades lembram também que a realização de queimadas extensivas só pode ser permitida após autorização da autarquia e que, para os locais onde o risco de incêndio seja muito elevado ou máximo, também está sujeita a autorização a queima de matos cortados e amontoados e qualquer tipo de sobrantes de exploração, com acompanhamento.

Entretanto, o distrito de Viseu já registou 150 incêndios florestais nos primeiros três meses deste ano. Os dados também são da ANEPC. De acordo com as informações enviadas à agência Lusa, Viseu é o terceiro distrito do país que mais registou estas ocorrências entre 1 de Janeiro e 25 de Março, seguido de Vila Real (236) e Braga (151).

Segundo a Protecção Civil, este ano ocorreram dois incêndios considerados de “grande dimensão” nos concelhos de Seia e Castro Daire.

A nível nacional, os 1.227 incêndios rurais que ocorreram desde o início do ano provocaram 5.477 hectares de área ardida, valores superiores aos registados em igual período de 2020, dos quais 83 por cento em matos.

Comparando com os relatórios de incêndios rurais de 2020 do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) concluiu-se que este ano os fogos mais do que duplicaram em relação a Março de 2020 e a área ardida é quase sete vezes mais.

Entre Janeiro e Março de 2020 tinham ocorrido 528 incêndios, contra os 1.227 registados até 25 de Março, e a área ardida situava-se nos 786 hectares, enquanto este ano já arderam 5.477 hectares.