RESTAURANTES JÁ REABRIRAM DEPOIS DA “TRAVESSIA NO DESERTO”

????????????????????????????????????
O bom da gastronomia regional…

Após a realização neste passado fim-de-semana, dos últimos preparativos para o regresso à actividade, suspensa devido à Covid 19, os restaurantes abriram hoje as suas portas.

Contudo, é um serviço a “meio-gás”, pois todos os espaços terão de observar as regras impostas de confinamento, para que não haja motivos a que o vírus se propague, na defesa da saúde pública.

Alguns restaurantes estiveram em regime de “take away”, isto é, a servir comida para fora, previamente encomendada, como foi o caso do Restaurante “Ponto de Encontro”, nas imediações do “Pingo Doce”, paredes meias entre Tondela e Molelos, serviço que deverá ser agora reforçado.

Citando a jornalista Marta Catarina, da Emissora das Beiras, ouvindo a proprietária Cláudia Antunes, ela adiantou que, à entrada, os clientes são aconselhados a usar máscara e vão encontrar um doseador de álcool gel.

A responsável vai aproveitar para apostar forte na esplanada de que dispõe, mas com rigorosas medidas de higiene e segurança. A utilização das mesas, quer na sala quer na esplanada, será intercalada.

Já na vila do Caramulo, também no concelho de Tondela, o café/restaurante “Marte” reabriu igualmente esta segunda-feira, dia 18 de Maio, mas apenas para já na parte da cafetaria.

O proprietário Hélder Leal disse que, depois de dois meses, já não era possível continuar de portas fechadas e afirmou ter a esperança de que “as coisas vão melhorar” depois deste novo recomeço.

NA CIDADE, A MESMA COISA

Como no caso do “Ponto de Encontro”, também outros restaurantes da cidade e suas imediações, reabriram as suas portas, tendo estado alguns, como no caso do “Camaleão”, em serviço de “take away”.

“Beirão Online” (BO) falou esta manhã com a proprietária do Restaurante “Tá Pago”, nas imediações do Continente, que nos deu as explicações necessárias sobre a sua abertura, com todas as regras a ser observadas, em limpeza, higiene e distanciamento entre mesas e pessoas.

As mesas são ocupadas em regime de mesa-sim, mesa-não. Em mesas destinadas a um maior número de pessoas 6, por exemplo, só para grupos familiares.

Quanto ao pessoal ao serviço, a empresária disse que se mantém todo e que até necessitava de mais. Boas-falas, sinal de que nem tudo estará perdido nesta crise económica e social que atingiu o mundo inteiro.

Neste caso, os snack bares deverão ser os mais penalizados. Normalmente em espaços pequenos, terão de reduzir para metade as suas mesas e o próprio acesso ao balcão.

Contudo, com o tempo, é de crer que tudo se encaminhe para a normalidade, ou, em última instância, para a normalidade possível.